Criação e Seleção de Aves Domésticas de Raças Puras

Bankiva
Carolina Grey
Faisão Canário
Ganso Cereopsis
Pavão de Ombros Negros
Perdiz da California
Tadorna Tricolor

Raças Puras

 

O OBJETIVO DO CRIADOR DE AVES DE RAÇAS PURAS

 

Para que um grupo de aves seja considerado Raça, é necessário que todas se assemelhem na forma, peso, altura e possuam qualidades de produtividade quase idênticas. Exige-se que todas essas características existiram ou existam nos seus ascendentes e reapareçam da mesma forma nos seus descendentes. A coloração da plumagem identifica as variedades dentro de uma raça.

 

Hoje quando se fala em Avicultura Industrial ou Comercial, as referências são feitas apenas às marcas e não as raças de aves. Esses tipos comerciais dão obtidos a partir de aves de raças puras, cujos fatores de reprodução podem ser transmitidos e aprimorados pelos trabalhos genéticos desenvolvidos na espécie.

 

As raças puras deixaram de ser utilizadas para exploração comercial porque sua produtividade chegou a um tope além do qual o melhoramento é muito lento. Daí resultou a utilização de mestiços ou “hibridos” de duas ou mais raças, com os quais se desejou obter indivíduos com produtividade superior a dos seus ancestrais puros. As raças puras constituem uma reserva de gens que os geneticistas recorrem sempre que determinadas linhagens apresentam sinais de degeneração e improdutividade.

 

Aqueles que gostam de criar aves nunca vão obter êxito partindo de produtos comerciais, porque estes constituem o ponto final de um longo aprimoramento genético. Seus descendentes serão degenerados tanto morfologicamente como na produtividade.

 

Aqueles que na ânsia de possuirem muitas raças ou muitas aves para vender, enganam-se ao fazer de seus viveiros um amontoado de espécimes sem valor algum, completamente fora dos padrões. O pior é quando vendem essas aves a criadores principiantes espalhando assim raças degeneradas.

 

Quem gosta de criar aves de raças puras, sejam galinhas, pombos, faisões, perus, pavões, angolas etc, deve para obter êxito na sua empreitada, conhecer profundamente as características fundamentais da raça que cria.

 

Para isso aconselhamos obter um “standard” respectivo e na impossibilidade disso, conversar com criadores mais experientes ou com maior conhecimento teórico e prático sobre a matéria, procurando ilustrar-se. São conhecimentos necessários para a melhoria do plantel. Isto se aplica a todos os sócios da A.B.C.A., pois é nosso dever preservar e melhorar as raças.

 

No estágio em que nos encontramos, todos os nossos esforços devem estar voltados para o aprimoramento do plantel nacional e não para a sua dissolução.

 

Quem gosta de criar animais puros, de elevado padrão ou produtividade, deve desde o início acreditar que vai investir capital e muito trabalho. O único e principal objetivo que deve perseguir é produzir aves de alto padrão.

 

O plantel deve ser o mais homogêneo possível. Aí as vendas virão naturalmente e por preço compensador.

 

Vamos trabalhar pela melhoria do plantel nacional de aves puras.

 

Não gaste ração, tempo e mão-de-obra com aves de baixo valor. Você estará enganando a si próprio e destruindo os bons valores genéticos do plantel nacional.

 

Se você for iniciar a criação de uma raça, partindo de um casal, certifique-se que não são consanguíneos. A consanguinidade estreita é muito difícil de ser trabalhada e geralmente é o fator mais agravante da degeneração de uma raça. O mesmo se aplica aqueles que partem de ovos, geralmente adquiridos sem identificação de paternidade.

 

Sempre que você adquirir um reprodutor(a), procure conhecer bem primeiramente o criador. Indague sobre a origem da ave, de seus pais e avós. Cuidado, que as vezes você adquire como grande novidade, coisa que já foi sua.

 

CERTIFIQUE-SE DA QUALIDADE DO QUE VOCÊ VAI USAR NO APERFEIÇOAMENTO RACIAL DA SUA CRIAÇÃO.